Chegou o sol, cuidado com a pele!

Chegou o sol, cuidado com a pele!
É do conhecimento geral que o sol a mais faz mal. Mas não falta quem descuidadamente se exponha em demasia por não se lembrar disso ou não sentir de imediato os seus efeitos negativos.

A excessiva exposição ao sol acarreta dois tipos de efeitos, os imediatos e os tardios. Os primeiros incluem a desidratação, a insolação e as queimaduras cutâneas. Devido aos sintomas destes problemas surgirem pouco tempo após a exposição, é fácil de perceber a relação causa-efeito. Já nos efeitos tardios, onde se pode incluir o envelhecimento precoce da pele, as queratoses (manchas escuras principalmente na face, que podem evoluir para cancro da pele) e o temível cancro da pele, essa relação causa-efeito pode passar despercebida, pelo longo intervalo de tempo que os separa. Ou seja, a pessoa vai expondo-se ao sol ao longo de muitos anos e pode até já não o fazer há algum tempo, quando surgem as lesões.

O risco de cancro é maior nas pessoas de pele clara, olhos claros ou cabelo ruivo; naquelas cuja pele se queima facilmente, fica vermelha, ganha sardas ou que fica dorida sob o sol; nas que têm antecedentes de queimaduras solares durante a infância; nas que têm antecedentes familiares ou pessoais de cancro da pele; nas que se expõem a radiação UV artificial (solários) ou têm exposição prolongada ao sol no trabalho ou em atividades recreativas. Nas horas mais perigosas, das 11h às 16h, deve evitar expor-se, ainda que usando protetor solar e mesmo com tempo enublado. Fora destas horas o risco é menor, mas mesmo assim deve ser usado protetor solar, principalmente nas pessoas de pele clara e nas crianças e adolescentes.

As pessoas que têm tendência às queimaduras solares devem proteger-se do sol durante toda la vida. Com os devidos cuidados, no entanto, a exposição solar é benéfica, pois é necessária à produção da vitamina D, importante, por exemplo, para a saúde dos ossos.

Em jeito de resumo, quando for para a praia: 

 

.evite estar demasiado tempo ao sol; 

.para proteger-se, utilize guarda-sol, chapéu, T-shirt e óculos de sol homologados; 

.inicie a exposição ao sol de maneira gradual e evite a exposição às horas de máxima intensidade de radiação, entre as 11h e as 16h; 

.utilize sempre um protetor solar elevado (superior a 20), sobretudo se tem pele sensível; aplique-o em quantidade suficiente, um pouco antes da exposição e periodicamente depois de tomar banho ou se transpira muito;  .os bebés menores de 6 meses devem permanecer na sombra e com roupa que os proteja da radiação solar (na praia, a água e a areia refletem a luz e aumentam a intensidade da exposição solar); 

.tome precauções para que as crianças e também os adultos bebam água para não desidratarem.

Se assim proceder, não há motivo para receios e poderá desfrutar da revitalizante praia.

João Dinis, médico.

USF Novo Cuidar

Pub.

2019 ©NOTÍCIAS DE FAFE ® - Todos os direitos reservados