Marco Candeias elaborou projecto inédito: aprender cavaquinho pelo telemóvel

Marco Candeias elaborou projecto inédito: aprender cavaquinho pelo telemóvel
Marco Candeias, um jovem de Vieira do Minho radicado há alguns anos em Fafe, desenvolveu numa parceria uma aplicação de telemóvel que é inovadora a nível mundial: aprender cavaquinho através do telemóvel. Juntou a paixão pelo instrumento com o facto de estar a estudar Informática de Gestão no Instituto de Estudos Superiores de Fafe.

“Como tantos e tantos minhotos gosto de música e não enveredei pela concertina, fui por algo mais tradicional, o cavaquinho. Durante muitos anos toquei como qualquer outra pessoa mas depois verifiquei que a minha técnica não era a correcta. Procurei perceber de que forma poderia aproximar-me da técnica mais correcta e fui ter com a pessoa melhor no país para aprender cavaquinho que é o Amadeu Magalhães”, começou por explicar o caminho que o levou até à conclusão do projecto. Esse convívio com Amadeu Magalhães durou alguns meses mas a amizade frutificou e ainda dura. Em paralelo mantinha os estudos superiores na área da informática de gestão e surgiu a ideia da aplicação. “Pensei que como todos nós temos telemóvel, o seu uso está massificado, e existem aplicações para aprender a tocar outros instrumentos porque não o cavaquinho? Criar uma ferramenta para ensinar a tocar da forma mais correcta segundo alguns padrões”. No trabalho de final do curso empenhou-se em concretizar a aplicação depois de realizar outros trabalhos em parceria com Amadeu Magalhães. “Fiz uma página na internet do músico Amadeu Magalhães e, a par disso, a parte da aplicação do cavaquinho. Trabalhamos a ideia durante alguns meses, juntamo-nos à Cliconta que é uma empresa de contabilidade e projectos e conseguimos publicar na Play Store da Google. Autofinanciamo-nos e a aplicação está disponível para download e custa cerca de 10 euros”, explicou. Uma aplicação que pretende dar um impulso ao ensino do cavaquinho e massificar a utilização. “Quem nunca tocou pode utilizar a aplicação para começar a aprender a tocar, desde os temas mais simples a outros mais elaborados. Tem toda a parte formal e prática com recurso à multimédia para aprender a tocar. Também permite o contacto directo com o Amadeu Magalhães para tirar dúvidas”, disse. Um projecto que está a começar mas que Marco Candeias espera que venha a ser essencial na área. “Havia um vazio e conseguimos dar mais um salto para a valorização do instrumento. O cavaquinho é um instrumento poderosíssimo que não está bem explorado. A aplicação tem tido algum sucesso. Foi lançada em Junho e já teve 20 vendas. Não é muito mas é um começo. Acredito que esses cerca de 20 compradores da aplicação queiram aprender realmente a técnica do cavaquinho. A aplicação só está em português mas há downloads feitos em Espanha e no Japão. É uma divulgação de algo que é português”. O cavaquinho é tocado em quase toda a região minhota mas no entender de Marco Candeias há ainda muito caminho para trilhar. “Há alguns bons exemplos mas o cavaquinho ainda está muito subdesenvolvido. O cavaquinho está muito ligado às Universidades Seniores e aos Ranchos Folclóricos e ainda não é visto como um instrumento nobre mas há gente que chora a ouvir tocar cavaquinho porque é tocado de uma forma tão sublime que pode ser tão ou mais emocionante que uma guitarra portuguesa e esta aplicação também quer fazer esse trabalho de atrair jovens que coloquem o cavaquinho num outro patamar”, concluiu.

Pub.

2017 ©NOTÍCIAS DE FAFE ® - Todos os direitos reservados